CO-LAB WALK MY CITY FREE

Sobre o Co-Lab Walk my city free

Este Co-Lab juntou em convivência criativa dezenas de pessoas.

Apesar das limitações impostas pela pandemia, tivemos lado a lado, entre Lisboa e Oslo, mas também em Barcelona, em Brasília, em Lausana, em Londres, em Madrid, em Paris, em São Paulo neste espaço físico, mental, sensorial e digital, diferentes saberes e experiências de pessoas unidas pelo empenho em contribuir para cumprir a razão mais nobre de ser cidade: ser de todas e de todos, de modo a que habitá-la, frequentá-la, diferentes mas com harmonização das diferenças, lugar seguro e apetecível para quem nela caminha e nela vive.

Analisámos e discutimos deficiências, insuficiências, potencialidade e recursos para impulsionar um futuro urbano com a melhor urbanidade na cidade mais amável, mais caminhável, mais segura, mais das pessoas, de todas as pessoas.

São tantas as pessoas e organizações a quem queremos expressar o nosso agradecimento. Muito obrigada

Adriana Souza

Ana Virgolino

Associação ComuniDária

APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima

Blanca Valdivia

Bo Irik

Câmara Municipal de Lisboa

Casa Qui

Catarina Reis

Collectiu Punt 6

Coletivo AcessoCultura

COOLABORA, crl

Elisabeth Skarderud

Eva Mota

Feira do Livro de Lisboa

Fernando Medina

Filipa Matos Wunderlich

Filipe Pena

Frederico Raposo

Inês Sánchez de Madariaga

João Maçarico

Jorge Moreira da Silva

Letícia Sabino

Mariana Marmelada

Moreplace Marketing

Nils Holta

Patrícia Santos Pedrosa

Pedro Homem de Gouveia

Raúl Antunes

REDE ANIMAR

Rolf Storsveen

SampaPé

​Shortcutz Porto

Sónia Lavadinho

3H

ValsaVou

Wenche Røset

E, claro, as equipas organizadoras do Co-Lab, do Coletivo ZEBRA, da Corações Com Coroa, da Inland Norway University of Life Sciences e do Institute of Transport Economics da Noruega: Alice Ciccone, Annette Kleppang, Aslak Fyhri, Catarina Furtado, Cláudia Cerveira, Giovanna Calogiuri, Knut Skulberg, Sunniva Myer.

Obrigada a todos.

Sandra Moutinho

Coordenadora do Co-Lab 

presidente do Coletivo ZEBRA

O Co-Lab Walk my city free foi co-financiado pelo Programa EEA Grants através do programa do Fundo das Relações Bilaterais. Projeto concluído em novembro de 2020

Project Co-Lab Walk my city free is a EEA Grants co-financed project initiated in 2020.

logo Coletivo Z_bilingue-01
inland norway university f applied sciences

Co-financed by

[vc_row][vc_column][vc_empty_space height=”20px”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_single_image image=”3258″ img_size=”200X200″][vc_empty_space height=”30px”][vc_column_text][mkdf_dropcaps type=”normal” color=”#FF7D62″ background_color=””]O[/mkdf_dropcaps] Jornal ZEBRA é um jornal online produzido pelo Coletivo ZEBRA. Dedica-se totalmente ao CAMINHAR.

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”20px”][vc_column_text]ORGANIZA-SE A PARTIR DE CINCO SECÇÕES:

ANDAR A PÉ MUDA TUDO: São muitas as razões para andar a pé e outras tantas as motivações.

A ABRIR CAMINHO: O que a Ciência nos explica sobre os benefícios de andar a pé. São cada vez mais robustos os argumentos.

PAUSA PARA FALAR. Com tempo, no ritmo da passada, as histórias dos caminhantes e dos grupos de amigos, de conhecidos, de vizinhos, de colegas de trabalho e de pessoas que têm um qualquer interesse ou característica em comum, e que juntaram aos seus dias o prazer de caminhar. Na cidade, no campo, nos jardins…

ACELERADORES: Para inspiração dos empreendedores e inovadores sociais, os projetos que mobilizam os bairros, as cidades, os países onde se instalam e que gostávamos de ver crescer como iniciativas globais.

MARCADORES: Trazemos também as narrativas sobre o andar a pé da literatura e das outras artes.

 

 SOBRE NÓS

 

O Coletivo ZEBRA é uma organização da sociedade civil.
Existe para promover o andar a pé como atividade regular, natural, gratuita, necessária, tonificante, saudável, livre e libertadora, gratificante.

Somos uma cooperativa de inovação social.

Saber mais sobre o Coletivo ZEBRA – Caminhar muda tudo, CRL.

 

EXISTE UMA MULTIPLICIDADE DE RAZÕES POSSÍVEIS PARA O ANDAR A PÉ E QUE QUEREMOS ENCORAJAR:

– Simples deslocação (ida para emprego, compras, escola, casa)

– Saúde (prevenção ou profilaxia de doenças decorrentes do sedentarismo: cardiologia e problemas circulatórios, hipertensão, diabetes, obesidade, Parkinson, Alzheimer, depressão…);

– Bem-estar (uma forma de atividade física relaxante que permite a meditação e o auto-conhecimento; que promove a criatividade);

– Sociabilidade (razão para encontrar outros, promover diálogo, quebrar a solidão; ou para apreciar a solidão; ou para fazer telefonemas com privacidade);

– Espiritualidade (meditação, mindfulness, peregrinações, romarias e caminhadas votivas);

– Desporto (caminhadas, trecking, montanhismo);

– Competição (marcha, corridas, maratonas);

– Turismo (percursos pedestres, rotas temáticas);

– Deambular (o andar sem razão nem necessidade ou propósito, passear, vaguear);

– Inspiração e criatividade (procurar e gerar ideias, resolver, ver melhor, ver mais longe…)

 

O nome ZEBRA surge pela associação às passadeiras, que regulam a prioridade dos peões.

É uma linguagem urbana, mas o facto de nos referirmos a zebra, e não a passadeira, remete para um mundo natural, selvagem, onde o andamento faz parte integrante do quotidiano.

É também uma referência às limitações que hoje em dia o andar tem na cidade: sujeito a horários, locais próprios, condicionado por fatores exteriores à nossa vontade.[/vc_column_text][vc_empty_space height=”50px”][/vc_column][/vc_row]

pt_PTPortuguês