“Caminhar, uma filosofia”: um livro de um filósofo que põe o andar a iluminar as ideias

[vc_row][vc_column][vc_empty_space height=”20px”][/vc_column][/vc_row][vc_row css=”.vc_custom_1469916875674{padding-left: 90px !important;}”][vc_column width=”1/3″ css=”.vc_custom_1469816999799{border-right-width: 1px !important;padding-right: 60px !important;border-right-color: #757575 !important;border-right-style: dotted !important;border-radius: 1px !important;}”][mkdf_section_title title=”resumo”][vc_empty_space height=”22px”][vc_column_text css=”.vc_custom_1471836196812{padding-top: 35px !important;padding-right: 30px !important;padding-bottom: 35px !important;padding-left: 30px !important;background-color: #e5eff7 !important;}”]

É o livro de um filósofo apaixonado por caminhar. Frédéric Gros caminha como respira.
Marcher, une philosophie é um livro sobre o elementar, sobre a lentidão, sobre a liberdade. O livro, em pequenos capítulos dedicados a escritores e pensadores também seduzidos pelo caminhar, leva-nos pelo mundo, da antiguidade aos nossos dias, da Índia à Espanha. Os nossos companheiros de caminhada são poetas, filósofos, sábios ou peregrinos. Encontramos Rimbaud, Nietzsche, Kant, Thoreau, Holderlin ou Ghandi.

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”50px”][mkdf_section_title title=”sobre”][vc_empty_space height=”22px”][mkdf_custom_font font_family=”Khula” font_size=”30″ font_style=”normal” font_weight=”500″ text_transform=”None” text_align=”right” content_custom_font=”Frédéric Gros” color=”#ff7d62″][vc_empty_space height=”20px”][vc_single_image image=”2570″ alignment=”right” style=”vc_box_circle_2″][vc_empty_space height=”20px”][mkdf_custom_font font_family=”Ek Mukta” font_size=”18″ font_style=”normal” font_weight=”200″ text_transform=”None” text_align=”right” content_custom_font=”O filósofo francês, Frédéric Gros (n.1965), especialista em Foucault e professor em Sciences Po (Paris-XII), doutorou-se com uma tese sobre a Teoria do Conhecimento e a História dos Saberes, e é autor de um tratado sobre a caminhada.”][vc_empty_space height=”15px”][mkdf_custom_font font_family=”Ek Mukta” font_size=”18″ font_style=”normal” font_weight=”200″ text_transform=”None” text_align=”right” content_custom_font=”É autor de mais de 50 artigos científicos publicados em revistas internacionais com arbitragem científica, 10 livros e 20 capítulos de livros, tendo publicações em revistas prestigiadas como The Lancet, Diabetes Care, Journal of Applied Physiology, Diabetology e American Journal of Clinical Nutrition.”][vc_empty_space height=”40px”][mkdf_custom_font font_family=”Khula” font_size=”30″ font_style=”normal” font_weight=”500″ text_transform=”None” text_align=”right” content_custom_font=”Marcher, une Philosophie” color=”#ff7d62″][vc_empty_space height=”20px”][vc_column_text]

frederic gros capas

MARCHER, UNE PHILOSOPHIE
(edição original em língua francesa)
Autor: Frédéric Gros
Ed. Champs Flammarion, 2011

A PHILOSOPHY OF WALKING
(tradução para a língua inglesa)
Autor: Frédéric Gros
Tradução por John Howe
Ilustrações por Clifford Harper
Edição Verso, 2015

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”2/3″][vc_row_inner css=”.vc_custom_1470834247780{margin-left: 5px !important;}”][vc_column_inner][vc_empty_space][mkdf_icon icon_pack=”ion_icons” ion_icon=”ion-quote” size=”mkdf-icon-huge” type=”normal” icon_color=”#ff7d62″][mkdf_custom_font font_family=”Lusitana” font_size=”40″ line_height=”55px” font_style=”normal” font_weight=”600″ text_transform=”None” text_align=”left” content_custom_font=”Andar a pé não é um desporto“”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_empty_space height=”60px”][vc_row_inner css=”.vc_custom_1470834166875{margin-left: 20px !important;background-color: #ffd93e !important;}”][vc_column_inner width=”6/6″][vc_column_text]

 [mkdf_icon icon_pack=”font_elegant” fe_icon=”icon_headphones” size=”mkdf-icon-medium” custom_size=”” type=”circle” border_radius=”” shape_size=”” icon_color=”ffd93e” border_color=”” border_width=”” background_color=”ffffff” hover_icon_color=”” hover_border_color=”” hover_background_color=”” margin=”” icon_animation=”” icon_animation_delay=”” link=”” anchor_icon=”” target=”_self”]

[/vc_column_text][vc_column_text]

AUDIO: Cap. 1 do livro ‘Marcher, une Philosophie’ de Frédéric Gros (tradução livre)

◊  Leituras ZEBRA por Francisco Sena Santos

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”5px”][vc_column_text css=”.vc_custom_1470826478501{background-color: #ffd93e !important;}”]

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”25px”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_row_inner][vc_column_inner][vc_empty_space height=”50px”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_column_text css=”.vc_custom_1471836059515{margin-left: 20px !important;}”][mkdf_dropcaps type=”normal” color=”#FF7D62″ background_color=””]K[/mkdf_dropcaps]ant e Rousseau deambulavam para melhor filosofar. Rimbaud e Thoreau caminhavam para estimular a criatividade. Frédéric Gros reivindica no livro Marcher, une philosophie (Caminhar, uma filosofia), best-seller em França e em vários outros países, o prazer de andar a pé. O jornal britânico The Guardian apresenta Frédéric Gros como alguém que de facto sabe sobre caminhada: “um professor de filosofia e um professor de caminhada”.
Antes de tudo o mais, diz-nos Frédéric Gros, há o efeito suspensivo oferecido pela caminhada:

É largar os fardos, esquecer por um tempo as preocupações”.

A caminhada liberta-nos:

Não nos afasta necessariamente, faz-nos mudar de ritmo, leva-nos à meditação, muitas vezes é o caminho para pensarmos como resolver um problema”.

Gros reivindica a caminhada como ato filosófico e experiência espiritual: da caminhada energética à deambulação quase errante, do passeio de reflexão à peregrinação, na natureza ou em ambiente urbano, a caminhada contribui para

conseguirmos criar e reinventarmo-nos”.

Gros reconhece que “para muita gente, caminhar é algo de monótono, sobretudo acontece com os mais novos que estão muito ligados aos ecrãs que mudam constantemente as imagens, enquanto quando andamos tudo evolui muito lentamente”.

Argumenta o filósofo francês apaixonado pela caminhada:

Descobrir o prazer de andar pode ser algo de surpreendente e envolvente: permite a revelação de uma dimensão de existência que hoje está quase proscrita, a lentidão, o dar tempo ao tempo”.

Na aparência, comenta Gros, nada mais simples do que caminhar. Na realidade, é bastante mais: é uma aventura intelectual, com participação física, onde nos surpreendemos a aceitar o parêntesis na vida que é a lentidão e a liberdade suspensiva das rotinas. Gros nota que o sentido da aventura pedestre que ao longo de séculos motivou os peregrinos ficou muito perdida com os confortos do mundo moderno. Ganha-se em conforto mas perde-se em vida vivida, perde-se a ocasião para encontro com as pessoas e o que nos envolve.

Este livro Caminhar, uma Filosofia, tem logo na primeira frase uma advertência do autor: “Caminhar não é um desporto”.  Porque não há a luta por conseguir marcas ou superarmo-nos a nós mesmos. Caminhar é, insiste Gros,

uma experiência autêntica, que acalma, que apazigua, que liberta a imaginação; quando caminhamos não temos máscara”.

A caminhada é enquadrada como um exercício espiritual. Portanto, como no título do livro, uma filosofia.

Título original: MARCHER, UNE PHILOSOPHIE[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]